18 julho 2009

Calendário.

Ao som de Fake Plastic Trees - Radiohead.

Quinze dias julguei serem necessários. Já no primeiro deles, todos os meus planos foram por água abaixo. Duas semanas são poucas para toda uma intensidade que vem crescendo há quase um ano. Quando me dei esse tempo, recebi em troca um sonho: você estava do meu lado, fazendo tudo o que eu queria que você fizesse, mas não de forma real, sem máscaras, sem precisar se esconder atrás de mim para que eu não precisasse me esconder atrás de você.
Não sei o que posso fazer para te ajudar. Se eu soubesse como me ajudar já bastaria. Poderia remediar as intensidades que tanto têm tirado meu sono desde então. Você apareceu sem dizer nenhuma palavra. Causou-me um estrago sem dizer nenhuma palavra. Não quero te ver indo embora sem dizer nenhuma palavra. Quero te ver falar. Quero ouvir um sim. Ouço tranquilamente se também for um não. Prove-me que és capaz de mudar o jogo. Aja como se fôssemos um.
Meu problema é não conseguir te sacudir pessoalmente. Sou trouxa e medroso. Perco mil oportunidades para te ter em um sonho. Uma noite. Um dia. Crio planos e projetos dentro de mim que são arquivados como sempre, lá no fundo, onde eu ainda posso vê-los mas não consigo mais alcançá-los.
Perco então mais mil oportunidades.
E não sei até quando será assim.

4 COMENTÁRIOS:

Ana Carolina disse...

Você conseguiu descrever o que eu to sentindo nesse momento tão bem, que é como se essas palavras fossem minhas. Eu as repeti algumas vezes lendo em voz alta para achar algum erro, alguma combinação errada, mas tá perfeito.
Eu to até com medo. hahaha

Parabéns pelas palavras, parabéns pelo texto.
Você deve ser uma pessoa incrível! (?) hahaha

é isso..
@CarolinaMourao

Guilherme Toscano disse...

Textos humorísticos são tão mais fáceis de comentar.

Marcellaa disse...

Textos humorísticos são bem mais fáceis de comentar.
derrepente a pessoa fica sem palavras.

Todos os seus textos tem alguma frase que é tão certa, que se encaixa no que eu sinto, não sei bem.. é complicado escrever, mas seus textos são muito sinceros.

Extraordinário.

J. disse...

Prolixo, né?
Adoro prolixidade.