06 novembro 2008

Não adianta.

E isso não era bem o que ele queria.
Às vezes agia de forma demasiadamente abrupta, sem pensar nas futuras (e possíveis) consequências.
Os outros diriam que era para ser assim mesmo, arriscado, porém intenso.
Sua cabeça o reprimia. Isso não era novidade.
Ele gostava dessa complicação. E acabava por se arriscar de uma vez por todas.
Se é para ser, que seja agora.










Vais arriscar, rapaz?

2 COMENTÁRIOS:

M. disse...

caraaamba! tao tudo a ver comigo e o q to vivendo hein! haha

Mas entao, eu to arriscando. Se joga, colega!

Josy disse...

Se joga, bee!

=PPPPP