27 agosto 2009

Confissão.

Ao som de When Your Mind's Made Up - Glen Hansard and Markéta Irglova.

Já escrevi milhões de textos sobre como a chuva me transforma. Não tem sido diferente. Aliás, a única diferença aqui é que aprendi a ser mais centrado e feliz sem que gotas precisem cair do céu.
Não sei como, mas mudei. Na verdade podei muitos galhos mortos que atrapalhavam o crescimento de outros. Me surpreendi com o quão vigoroso foi o crescimento deles depois de tudo. Quero abdicar aos poucos dos meus vinte anos de vida medíocre. Não levemos isso ao extremo, mas certamente duas décadas demoraram para que finalmente eu entendesse meu propósito em relação a situações de escolhas importantes. Estamos em reformas.
Você me surpreendeu muito nos últimos dias. E eles foram tão intensos que as surpresas agora começam a ficar escassas. Maçante: definitivamente você não me assusta mais. Pelo contrário, agora é sua previsibilidade que me deixa nervoso. O que me orgulhava era ter visto em você uma pessoa especial, justamente por esconder seu lado precioso, soltando-o sem querer para aqueles que não imaginavam que existiam mais trilhos além do horizonte.
Quinze dias de mudanças, quinze dias de ação. Em um mês me mutei, refleti. Descobri a melhor forma de te abordar. Conquistei território, cheguei bem perto, parei quando tive que ir com calma. E agora não sei o que fazer. Tinha te desarmado, pois o jogo agora mudou. Estou nu, levaram-me as roupas, comidas, decisões. A sobra aqui no canto advém de memórias e pensamentos, dos quais nunca me desapoderarei.
Sim. Já tinha analisado essa situação e achei sinceramente que não chegaria até ela. Mas você se mostrou ser uma espécie de Gabriel, só que escondido. Na verdade o Gabriel que viveu até trinta dias atrás. Me livrei dele para chegar mais perto de ti e o que encontrei? Poderia ficar somente nisso, mas fui tentado a ir mais fundo. O resultado mudou: o seu Gabriel é mais fraco que aquele abolido das nossas vidas.
Isso me deixa sem palavras. Achei a chave do seu ser. Entrei em sua cabeça e me tranquei lá dentro. Agora não sei como sair e a cada dia chove mais. Estou protegido, mas você não. Revivo agora como espectador a vida que eu levava, chegando ao cúmulo de saber qual é sua próxima ação. Neste emaranhado de descobertas, apesar de todas as negativas, ainda gosto de te admirar. Porque sei que por trás desse metal todo ainda surgirá a sinceridade e os desejos daquele Gabriel fraco que agora reside em você. Eu, mais do que ninguém, sei lidar com ele.
E acima de tudo sei o que ele é capaz de fazer.

1 COMENTÁRIOS:

Pedro Carvalho disse...

"Entrei em sua cabeça e me tranquei lá dentro. Agora não sei como sair e a cada dia chove mais. Estou protegido, mas você não."

Eu sei como é. Já disse isso. Você abdicou de ti pra essa pesquisa sua, e hoje se vê indiferente por já ter pesquisado o que queria. A vida sem surpresas não tem graça. Nosso jogo sem surpresas não tem graça. Eu sei como é. Já disse que sei.